Pesquisador compara hidrologias do Ceará e da Tunísia

10 de dezembro de 2012

Julien Burte apresentou, na Funceme, pesquisa sobre vales aluviais das duas regiões

O conhecimento adquirido através de experiências tecnológicas em outros países pode ajudar a nortear políticas públicas no nosso Estado. Com esse objetivo, o Dr. Julien Burte, colaborador da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) e pesquisador da da CIRAD (La Recherche Agronomique pour le Développment) ministrou hoje, 10 de dezembro de 2102, no auditório da Funceme, a palestra “Os Pequenos Vales Aluviais do Ceará e da Tunísia”.

 

 

Julien Burte apresentou, na Funceme, pesquisa sobre vales aluviais das duas regiões

O conhecimento adquirido através de experiências tecnológicas em outros países pode ajudar a nortear políticas públicas no nosso Estado. Com esse objetivo, o Dr. Julien Burte, colaborador da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) e pesquisador da da CIRAD (La Recherche Agronomique pour le Développment) ministrou hoje, 10 de dezembro de 2102, no auditório da Funceme, a palestra “Os Pequenos Vales Aluviais do Ceará e da Tunísia”.

Engenheiro agrônomo, com mestrado e doutorado em recursos hídricos, Burte falou por mais de uma hora para um público formado por  pesquisadores de diversas áreas sobre os trabalhos que desenvolveu observando as características de aquíferos aluviais, o que ele chama de Oásis, localizados no Ceará e na Tunísia, país do norte da África onde desenvolve sua pesquisa há dez meses.

Para Burte, que é especialista na hidrologia do semiárido, há muito em comum entre as características físicas do Ceará e da Tunísia e uma aproximação científica entre as duas regiões é positiva para ambas. Segundo ele, é fundamental que os cientistas busquem se desligar do ambiente acadêmico, conhecendo e vivenciado melhor os objetos de seus estudos.

“Temos muito a aprender observando experiências de outros locais. Não reproduzindo, mas sabendo entender as diferenças e compreendendo cada área, com seus tipos de solo e de agricultura. Nós cientistas não vamos solucionar o problema dessas regiões, mas temos condições de apontar os caminhos, ouvindo todos os atores do processo e passando o conhecimento para o ente público”, afirmou o pesquisador.