Chove em mais de 60 municípios no feriado, e Pentecoste tem sua maior chuva de 2019

20 de março de 2019 # # #

As chuvas atingiram, principalmente, o centro-norte do Ceará (FOTO: Diego Saymon)

As chuvas atingiram, principalmente, o centro-norte do Ceará (FOTO: Diego Saymon)

O município de Pentecoste, localizado no Litoral do Pecém, registrou, no intervalo entre as 7h e as 7h desta quarta-feira (20), sua maior chuva de 2019, com 78 milímetros, no posto pluviométrico Sebastião de Abreu. Até então, o maior acumulado daquele município havia sido registrado no último dia 16 de março, quando, no posto sede foram observados 63 milímetros, conforme a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme).

Além da maior chuva do município, o observado foi o maior do intervalo de 24 horas entre ontem e hoje. Na mesma região, a Funceme registrou 57 mm em Apuiarés e 38,6 mm em General Sampaio.

No balanço ainda parcial, há informações de precipitações em, pelo menos, 63 municípios. Para acompanhar a atualização dos dados, basta acessar o link www.funceme.br/calendario ou ainda baixar o aplicativo ‘Calendário de Chuvas’.

Previsão

Para hoje, a previsão do tempo é de nebulosidade variável com chuvas isoladas no Litoral do Pecém, Litoral Norte, Serra da Ibiapaba, no Sertão Central e Inhamuns. Nas demais regiões, há possibilidade.

A previsão do tempo indicada nesta manhã para hoje e os próximos dias pode sofrer alterações, assim, é importante realizar o acompanhamento das atualizações realizadas pelos meteorologistas. Para tomar conhecimento, basta acessar o site da Funceme ou ainda baixar o aplicativo Funceme Tempo.

Nos últimos dias,os meteorologistas da Funceme observaram uma redução na convecção (transporte vertical de calor) associada à Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). Além da configuração desfavorável da da Oscilação Madden-Julian (OMJ) sobre a região Nordeste o que que também explica, em parte, tal diminuição.

Para entender

A OMJ é uma combinação de ondas que podem aumentar a instabilidade do ar e formar nuvens e chuva, e correspondendo a uma variabilidade climática, tropical e intrasazonal. Ela se apresenta como um distúrbio atmosférico se deslocando de oeste para leste num período entre 30 e 60 dias. A oscilação exibe uma fase convectiva, com chuvas, e outra de supressão de precipitação, formando centros opostos de atividade convectiva.