Funceme participa de avaliação do Monitor de Secas, em Brasília

5 de março de 2020 # #

Eduardo Sávio, presidente da Funceme, participou do encontro da Capital do País (FOTO: Reprodução/Funceme)

Eduardo Sávio, presidente da Funceme, participou do encontro da Capital do País (FOTO: Reprodução/Funceme)

A Agência Nacional de Águas (ANA), em parceria com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), realizou, na última terça-feira (4), a II Reunião de Avaliação do Monitor de Secas – Uso Efetivo para Tomada de Decisão, em Brasília.

A reunião teve como objetivo apresentar os avanços do projeto, incentivar a utilização do Mapa do Monitor como ferramenta de tomada de decisão para o enfrentamento das secas nos estados e pactuar metas para 2020.

Durante a manhã, a especialista em recursos hídricos da ANA Priscila Gonçalves realizou uma avaliação do Monitor de Secas no ciclo 2018/2019. A superintendente adjunta de Operações e Eventos Críticos, Ana Paula Fioreze, falou sobre as perspectivas para o ciclo 2020/2021 e o processo de expansão do Monitor de Secas, que deve chegar a Goiás e Rio de Janeiro ainda este ano. No fim da manhã, a coordenadora de Articulação com o Sistema Nacional e Defesa Civil da Agência, Alessandra Daibert, abordou a integração do Monitor com as Salas de Situação.

No início da tarde, o presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins, falou a respeito das potencialidades de utilização dos produtos do Monitor e incorporação das informações geradas. Na sequência o diretor do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), Armin Augusto Braun, abordou a utilização da ferramenta pela Defesa Civil Nacional. A coordenadora da Gerência-Geral de Estratégia da ANA, Bruna Craveiro, e o especialista em recursos hídricos Márcio Nóbrega fizeram apresentação sobre exemplos de uso e de decisões com base no Monitor de Secas nos Estados Unidos.

A professora do Instituto Federal de Sergipe (IFS) Tatiana Máximo e o coordenador de Meteorologia do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Hugo Ely, tiveram espaço para falar sobre o uso efetivo do Monitor de Secas respectivamente em Sergipe e no Espírito Santo. Ao término da reunião, os participantes dos órgãos estaduais puderam compartilhar suas perspectivas em termos de avanços, dificuldades, demandas e expectativas no contexto do Monitor.

Participaram do encontro cerca de 50 especialistas de diversas instituições, como: Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa/PB), Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh/ES), ANA, Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), Corpo de Bombeiros Militar de Tocantins, Cenad, Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas do Estado de Goiás (Cimehgo), Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn) e Funceme.

Também participaram representantes do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM); Incaper; Instituto Estadual do Ambiente (Inea/RJ); Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema); Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet); Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro/MS); Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurbs/SE); Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí (Semar); Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh/TO); Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh/RN); e Universidade Estadual do Maranhão (Uema).

O Monitor de Secas

O Monitor de Secas é coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA) desde 2017, com o apoio da Funceme, e desenvolvido conjuntamente com diversas instituições estaduais e federais ligadas às áreas de clima e recursos hídricos, que atuam na autoria e validação dos mapas. Por meio da ferramenta é possível comparar a evolução das secas nos 12 estados (Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Tocantins) a cada mês vencido.

O projeto tem como principal produto o Mapa do Monitor, construído mensalmente a partir da colaboração dos estados integrantes do projeto e de uma rede de instituições parceiras que assumem diferentes papéis na rotina de sua elaboração. Esse e outros produtos do projeto podem ser acessados em monitordesecas.ana.gov.br ou pelo aplicativo Monitor de Secas, disponível para dispositivos móveis com sistemas Android e iOS.

FONTE: ASCOM/ANA