Monitor indica redução da área com seca fraca no Ceará

19 de junho de 2020 #

Áreas mais ao norte do Nordeste estão em situação melhor (FOTO: Reprodução/Monitor de Secas)
Áreas mais ao norte do Nordeste estão em situação melhor (FOTO: Reprodução/Monitor de Secas)

O mapa mais recente do Monitor de Secas apontou redução na área classificada com seca fraca no Ceará em maio. Conforme dados da ferramenta, o estado passou de 31% em abril para 20,82% no último mês, o que representa 79,18% do território sem seca relativa.

O cenário apresentado é o melhor desde o início histórico do monitoramento que possui a Agência Nacional de Águas com instituição central, apoiada pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) e participação de diversas instituições do País.

De acordo com dados da Funceme, maio terminou com chuvas levemente abaixo da média. O observado foi de 83,1 milímetros, o que representa 8,2% abaixo da normalidade (90,6 mm). Porém, os resultados positivos também se devem ao acumulados do meses anteriores.

“Dados da quadra chuvosa de 2020 mostram que o acumulado de chuvas no Ceará alcançou 730,7 mm, e ficou 21,7% acima da normal climatológica que é de 600,7 mm. Esses números confirmam os prognósticos climáticos divulgados em janeiro e fevereiro. É a melhor quadra chuvosa desde 2009, quando a precipitação ficou 60,8% acima da normal climatológica do quadrimestre fevereiro a maio”, ressalta Meiry Sakamoto, gerente de Meteorologia do órgão cearense.

O mapa do Monitor indica que a área ainda sob seca fraca está localizada entre o Sertão Central e a região Jaguaribana. Com isto, tal território deve ter impactos como a redução do plantio e do crescimento de culturas, por exemplo.

Além do Ceará, em seis estados houve a redução da gravidade ou área com algum nível de secas: Alagoas, Bahia, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe e Tocantins.

Em atenção

Apesar dos resultados positivos do Monitor de Secas, dos 155 açudes monitorados pela Companhia de Gestão de Recurso Hídricos (Cogerh), 47 estão com volume abaixo dos 30%. O Castanhão, maior reservatório do Ceará, apresenta, neste momento 16,6% da sua capacidade total.